Consultas

CONSULTÓRIO

Endereço
Rua Santos Dumont, 172 - sala 902
CEP 96020-380 - Pelotas/RS
(53) 3225.5300 - 3225.9300

Exames

SANTA CASA

Endereço
Rua Praça Piratinino, 53 - sala 06
CEP 96015-290 - Pelotas/RS
(53) 3284.4737 - 3028.2960

fisiologia-anorretal

FISIOLOGIA ANORRETAL

A fisiologia anorretal constitui um interessante ramo da coloproctologia, que tem por objetivo o estudo dos mecanismos de manutenção da continência e da defecação. Sabe-se que a incontinência fecal afeta cerca de 2% da população em geral, prejudicando a qualidade de vida e afastando esses indivíduos do convívio social e profissional, trazendo também importantes consequências econômicas ao sistema de saúde. Também a constipação intestinal, não menos importante, constitui a queixa mais comum dos consultórios de Gastroenterologia e gera repercussões significativas tanto para o paciente quanto para seus familiares.
O avanço na investigação dos distúrbios funcionais do ânus e do reto vem possibilitando a busca de tratamentos menos invasivos, praticamente sem riscos e evitando cirurgias desnecessárias que podem ter resultado catastrófico. Estão disponíveis vários tipos de exames complementares com intuito de avaliar o trânsito intestinal e os distúrbios que envolvem a saída das fezes (evacuação), entre eles citam-se a manometria anorretal, a defecografia e a defecorressonância magnética, as avaliações de tempo de trânsito intestinal e, mais recentemente, a ultrassonografia endoanal.
A manométrica anorretal tem por objetivo medir as pressões dos músculos encarregados da continência para as fezes, chamados esfíncteres, avaliar seu funcionamento, sugerir danos aos mesmos e ainda avaliar o grau de distensão e a capacidade do reto em conter as fezes. A defecografia e a defecorressonância magnética consistem na avaliação dos movimentos da pelve, do reto e do ânus durante uma defecação, podendo-se inferir de existe mau relaxamento ou fraqueza muscular ou, ainda, outros obstáculos que impeçam a saída das fezes. Já a cintilografia e o tempo de trânsito colônico avaliam o tempo que o bolo fecal demora até se exteriorizar através do ânus nos casos de constipação. A ultrassonografia endoanal vem ganhando destaque na investigação dos distúrbios da evacuação, além de fornecer também informações sobre a presença de fístulas, estabelecer o grau de invasão dos tumores de reto e avaliar focos de endometriose intestinal.
Com todo esse conhecimento novos tratamentos vêm ganhando espaço, com destaque para o biofeedback, uma modalidade de fisioterapia para os diferentes distúrbios funcionais do intestino grosso, reto e ânus.

DRA. TALITA VILA MARTINS
CREMERS 31891